Entre o Bem e o Mauro


Nem todos sabem, mas esse blog já ganhou vida nas páginas de um livro homônimo. Foi em Março de 2012, quando reuni algumas das minhas principais crônicas para realizar um grande sonho: lançar meu primeiro livro. Foram mais que 15 minutos de fama: apareci em jornais, dei entrevista de 1 hora na TV, tirei fotos, fui reconhecido na rua, falei ao vivo na rádio e só não fui convidado para participar do BBB porque precisaria fazer uma série reforçada de glúteos na academia.
Todo esse glamour acabou e o saldo final foi de 250 livros vendidos, 40 dados, 10 emprestados e quase 30 encalhados. Sinceramente nada mal para um iniciante.
Mas não estou aqui para lamentar, na verdade toda essa experiência me fez identificar os tipos de leitores que tenho e vou tentar expor aqui.

Família - Claro, a família sempre está presente para dar aquela força, mesmo que os convide para a peça de teatro onde você vai encenar uma palha seca entrando de meia em meia hora, rodando, como se estivesse no deserto. Alguns parentes chegaram a comprar vários exemplares, mesmo não tendo em mente o que fariam com todos, mas pelo simples fato de ajudar a engrenar essa nova empreitada.

Cachaceiros - Como o evento de lançamento do livro foi em um bar, muitos foram estimulados pela marvada. Provavelmente, ao verem o convite, leram a palavra bar, pegaram o endereço e horário e foram me "prestigiar". Só lá perceberam do que se tratava o evento. Alguns leram (ou não) o livro inteiro no próprio local e acabaram esquecendo na mesa ao irem embora. Acontece.

Fãs - Não vou aqui adotar a falsa modéstia. Alguns fãs das minhas crônicas estiveram presentes e levaram seus respectivos exemplares. Como agradecimento, levei cada um deles para casa em meu carro. Mesmo com o banco de trás cheio de tralhas, couberam todos em uma só viagem.

Formadores de opinião - Eu enviei um exemplar para cada figura notória do humor nacional. Nenhum me agradeceu, mas devem ter ficado felizes de receber o apoio de monitor de computador.

Sociáveis - Muito foram para, além de me prestigiar, participar de um evento cultural para socializar, atualizar os contatos e jogar conversa fora. Eu poderia até apostar que alguns deles não sabiam o gênero do livro e outros nem leram.

Mas daí vocês me perguntam: Ué, você só citou os leitores que foram ao evento de lançamento. E eu respondo: Sim, pois eles respondem por 90% das vendas. Entre os 10% restantes, um que pagou e não foi retirar o livro, outros que insistiram que eu enviasse o livro mas nunca forneceram o endereço e os que enviei via correio mas nunca confirmaram o recebimento. Mas brincadeiras a parte, agradeço a todos que fizeram parte deste sonho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Sábio guru

Vaguinha difícil