Contracapa


Essa aconteceu comigo recentemente e prova que muitas vezes o barato sai muito caro. Foram 5 dias de muitas decepções, raiva e os piores sentimentos que um ser humano pode experimentar. Tudo começou quando já não aguentava mais os bombardeios fecais dos pombos que habitam a primavera da fachada da minha humilde residência. E o meu pobre carro era o principal alvo. Na porta, no capô, vidro e até o farol eram vítimas da fúria retal destes ratos de asas, verdadeiras pragas urbanas que devem ser exterminadas em um holocausto jamais verificado na história deste planeta. Seus bicos devem ser arrancados com pinças incandescentes, suas asas cortadas com um esmeril afiado com cerol e nanopartículas de urânio, seus ânus costurados com cabos de aço e colados com cola quente recheada com cacos de vidros. Enfim, não sou muito fã de pombos.
Fato é que constantemente precisava limpar as fezes destes seres no carro sob o risco delas secarem e ameaçarem a pintura do veículo. Naturalmente a minha paciência se esgotou. Foi quando peguei uma conversa de corredor e alguém falou sobre as capas protetoras de carro. Claro, porque não pensei nisso antes. Além de proteger contra a chuva de coliformes pombais, preservo o veículo do sol, sujeira, etc. Em uma rápida pesquisa, verifiquei que, como tudo nessa vida, as capas de boa qualidade eram caras. Fui para o lado econômico da vida. Peguei a mais vagabunda. A marca mais chinfrim. Com certeza feita com resíduos dos materiais mais frágeis e inúteis do mundo. Mas os R$ 30 falaram mais alto. E o que aconteceu? Vou contar na letra de um samba, no ritmo de "Não deixe o samba morrer", de Alcione. Cantem comigo:

No primeiro dia veio o ato falho.
Sem perceber coloquei a capa ao contrário

O resultado, a capa se soltou
E naquele espaço, o pombo defecou
No outro dia, o sol se levantou
Um calor de rachar e a bosta lá secou

Não deixe a capa soltar
Não deixe o pombo cagar
No outro dia tem sol
E a bosta pode secar (2x)

No segundo dia tive que correr
Colocar a capa antes de chover

Pra minha alegria, a capa protegeu
Fui dormir tranquilo, sem saber o que aconteceu
A capa grudou, tive que puxar
Não controlei a força e a capa fiz rasgar

Não deixe a capa grudar
Não pense na capa puxar
Se você usar muita força
A capa pode rasgar (2x)

No terceiro dia a coisa apertou
E o desespero logo me tomou

Fiz tudo certo, com muito cuidado
Mas era tarde, o temporal estava armado
A ventania chegou apavorando
E não demorou, a capa tava voando

Cuidado com o temporal
Coloque a capa devagar
Se o vento chegar com tudo
A capa pode voar (2x)

No quarto dia estava de saco cheio
Confesso que coloquei de qualquer jeito

E a tragédia, veio em um combo
Teve chuva, vento e muitos cocôs de pombo
No dia seguinte, fiquei decepcionado
A capa tava suja, rasgada e tudo cagado

Não deixe a capa morrer
Não deixa a capa rasgar
A capa protege o carro
E o carro é pra gente andar (2x)

E no quinto dia meu pensamento era fixo
Vou pegar a capa e jogar no lixo

À meia noite, o caminhão passou
E para minha surpresa, a capa não levou
Passaram 3 dias, a capa lá ficou
Essa capa é uma merda, mas mais merda é quem comprou….

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Pombinha Manca

Pergunta indiscreta