Glória Kalil e a moda nas ruas (crônica retrô)


Hoje estava passando pela antiga rodoviária de Campinas, que atualmente está abandonada pelo poder público, quando reparei em um grupo de mendigos que dormia no meio da calçada. Eram mais ou menos 5 pessoas espalhadas entre os transeuntes, em uma cena lamentável. Observando esta realidade, normalmente despertamos nosso lado emotivo e a indignação com a situação sócio-econômica da nação, não é mesmo? Não no caso de Entre o Bem e o Mauro, que perde a postura solidária mas não perde a piada.

Na hora em que me deparei com os mendigos em estado catatônico, imediatamente me veio à mente a Glória Kalil com dicas de etiqueta para bebuns de rua. Com vocês, Glorinha:

"Oi, gente, boa noite. Hoje vou falar de um assunto delicado para nosso país, mas que nem por isso pode passar longe de meu olhar crítico. Estou falando dos mendigos. Gente, vamos combinar, é um horror passar na rua e ver um ser...é, porque não podemos chamá-los de gente....deitado no meio da rua, não é mesmo? Mas o mais triste disso é ver que estes moribundos passaram longe das tendências "lost in the street". Mas eu vou ajudar você, meu amigo de rua. Por isso, preste muita atenção.

Primeiro, tipo assim, dormir numa calçada, com pedras sujas por onde passaram ratos, onde pessoas jogam restos de comida e bitucas de cigarro, há idas e vindas de entulhos e fezes de gato ninguém merece. Então faz o seguinte: procure tirar uma soneca próximo a bueiros, do lado contrário de onde a água entra. Por incrível que pareça, o lugar é um pouco mais higiênico, já que a chuva empurra os dejetos para dentro dele e os ratos costumam ficar dentro dele durante a noite.

Outra coisa: usar jornal como cobertor é totalmente demodê. Além do visual down que o papel e os tons de cinza proporcionam, o jornal não protege muito do frio. Tente usar revistas como a Vogue, Caras e Forbes. O visual é mais colorido, as folhas um pouco mais impermeáveis e você seguirá as tendências fashion magazine. E eu vou aproveitar para comentar sobre as vestimentas e a aparência.

Amigos, aparência é tudo na hora de pedir esmola. Por isso, não custa fazer a barba com estilete e passar um perfuminho. Olha que dica: vá a uma praça, esfregue as mãos nas flores (aconselho flores da estação como bromélias e orquídeas) e passe no corpo. As plantas oferecem seu perfume de graça, não é bárbaro? E não esqueça de escovar os dentes. Ninguém merece um mal hálito na cara. Dica: cachaça com drops de menta. Esteriliza a boca e dá um frescor mentolado.

Quanto às roupas, muito cuidado com o famoso "cofrinho de fora" e os furos "estratégicos". Meu amigo, você é o visual da rua, deixe ela falar bem de você. Pegue retalhos de outras peças, corte e cole com durex ou chiclete. Cor sobre cor é a última dos viadutos londrinos e muquifos dinamarqueses.

E para terminar, um assunto sério: alimentação. Vamos combinar, comer marmitex com as mãos é out. Peça talheres e copos de "prástico" e muita atenção na disposição à mesa. Primeiro os talheres de entrada, depois do prato principal e, finalmente, de sobremesa. Do centro para fora. Tente evitar comer com a boca aberta e, para tirar restos de comida entre os dentes, use a ponta do garfo. Para beber, não tome pinga direto na garrafa. Ela vai passar entre seus amigos e ninguém quer misturar a bebida com sua saliva. Use o copo descartável e guarde-o como recipiente de ossos de peixe e frango. Siga essas dicas e seja um mendigo fashion. Até mais"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Sábio guru

Vaguinha difícil