50 tons de roxo


Silvia de Cunha e Albuquerque era uma importante socialite paulistana. Dona de diversos empreendimentos do segmento fashion, tinha tudo para ser uma pessoa feliz e realizada, mas desde que perdeu seu marido, atacado por leões albinos em um safari em Botswana, Silvia sentia um vazio em seu coração. A agitação de sua vida não era suficiente para fazê-la esquecer os bons momentos ao lado de Henri de Orleans Albuquerque.
Certo dia, chegando em uma de suas empresas, Silvia encontrou sua sócia, aflita, em sua sala. Ao questionar o motivo, a CFO (Chief Financial Office) revelou que seu filho sofrera um terrível acidente e teria que correr ao hospital, mas um problema teria que ser resolvido: em poucos minutos ocorreria uma importante reunião com clientes holandeses, que poderia significar o maior negócio fechado de todos os tempos. Silvia tratou de acalmar sua sócia, dizendo que conduziria essa reunião. Aos prantos, ela agradeceu o imenso favor.
Silvia deu um tapa no visual no pouco tempo que tinha antes da reunião e apostou na sua beleza como um fator agregador para fechar negócio. Sua pele clara contrastava de forma harmônica com os olhos azuis cristalinos e o loiro nobre de seus cabelos. Ela respirou fundo e, confiante, seguiu para a sala 3, no 4o andar de seu imponente prédio às margens da Marginal Pinheiros.
Na entrada, uma visão rústica não passou despercebida por Sílvia. O encanador, agachado e com seu "cofre" à mostra, fazia o serviço de reparo no lavabo. Desorientada com tal cenário e sem graça com a situação, Silvia só deu um tímido e sussurrado bom dia. Foi quando Tião da Chave Inglesa, como é vulgarmente conhecido na região, se levantou e deixou à mostra seu jaleco surrado, peito peludo, barriga volumosa, bigode avantajado e boné de um time de futebol da quarta divisão amadora. Após ver em slow motion, estilo Baywatch, um suspiro mais profundo denunciava que Silvia ficou abalada. Mas logo apertou os passos, rumo ao encontro com os holandeses.
O cofre suado de Tião vagou pelos pensamentos mais sórdidos de Silvia durante toda a reunião. Um misto de revolta e incompreensão tomava sua alma. Como poderia estar atraída por um ser que mais parecia ter surgido do Animal Planet. Nem isso, pois no Animal Planet até os insetos ficam bonitos. Mas o fato é que Silvia caiu nas garras da paixão grotesca e selvagem. E precisava se livrar destes pensamentos, pois sua vida de importante socialite poderia ruir com este relacionamento.
Não demorou uma semana e o castelo desmoronou. Ao tomar seu café da manhã, Silvia notou algo familiar: Tião arrumava a torneira de sua casa. O "Bom dia, madame" em tom sacana aguçou os sentimentos mais primitivos de Silvia e ali mesmo eles transaram.
A partir deste dia, Silvia brigava com ela mesma. Até que decidiu procurar Tião e resolver a situação de uma vez por todas. "Tião, não quero mais...". Nem bem terminou a frase e uma cópula nervosa foi iniciada. Silvia se entregou. "Quero me casar com você".
Mas Tião tinha um segredo em sua personalidade. "Antes de iniciarmos um romance, você precisa assinar um contrato com as regras de nossa convivência.", disse enfaticamente. Em princípio, Silvia não deu crédito e afirmou que estaria para nascer homem que a fizesse seguir regras. Mas a paixão a fez sucumbir. "Deixa eu ler o contrato". Estarrecida com o que lia, pensou várias vezes em desistir, mas o jeito que ele a devorava na cama falou mais alto. E o romance se iniciou ali mesmo:

- Vem aqui, minha potranca emperequetada, vou te bagunçar todinha
- Ai, seu bruto, me pega de jeito
- Opa, o que é isso, acho que vou colocar essa toalha molhada na cama. Isso te excita?
- (suspiro: ai meu Deus, isso vai ser duro) Excita, sim, coloca ela na cama e deixa que eu tiro depois
- Pra pintar um clima, vou ligar no jogo do Curintia e tomar uma Cidra no seu pezinho
- Que loucura, meu cavalo alazão. Timão, ê, ô!!!
- Espera que vou dar uma mijadinha...ops, esqueci a tampa aberta e com urina na borda
- Como você é sádico. Eu limpo depois, vem aqui terminar seu serviço, meu urso panda
- Isso mesmo, tá se comportando muito bem. Vou até arrotar pra mostrar minha felicidade. Arrrrooouuut, bloody Roots!!!!
- Você é o rei do trovão!!!
- Agora deixa eu colocar essa buchada com macaxeira no seu umbiguinho. Dilícia
- Meu Shrek do lixão, me deixa desnorteada
- Então mexe esse traseiro gordo e vai lavar a louça porque mais tarde meus amigos vem aqui tomar uma cervejinha
- Ah não, nem a pau. Alô, Christian Grey, eu aceito aquela tortura com pinça incandescente nos meus mamilos.

Ah, porque chama 50 tons de roxo? Como você acha que Sílvia saiu depois de rejeitar o rapaz? Vai brincando com o Tião.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Pombinha Manca

Pergunta indiscreta