A louca história de Mário Nese (crônica retrô)


Essa é a louca história de Mário Nese, um pacato cidadão de uma cidade qualquer que não vem ao caso nesta fábula. Mário era uma pessoa de bom coração, adorava ajudar os aflitos, fazia doações a diversas instituições de caridade e servia de exemplo para todos os moradores do município. Tudo era paz e felicidade até que Mário Nese resolveu comer um lanche na tradicional lanchonete do Seu Batata, como fazia há mais de 48 anos. Sentou-se à mesa, chamou o Silveira, garçom mais antigo do Batata, e solicitou seu X-Salada completo e um suco de cajá com 2 colheres de açúcar. Em poucos minutos o banquete estava na mesa e Mário, com sorriso no rosto, começou a degustá-lo.

Só que desta vez algo estranho aconteceu. Mário notou que Silveira esqueceu de trazer a sua maionese preferida, que era artesanalmente preparada pela esposa do Seu Batata. E Mário não consegue comer seu lanche sem a maionese caseira mais famosa da cidade. Levemente desconfortável com a situação, Mário pediu para que Silveira trouxesse a dita cuja. E foi surpreendido com uma terrível notícia: a esposa de Seu Batata estava doente e não fizera a maionese esta semana.

Era demais para Mário. Silveira tentou contornar oferecendo maionese industrial, mas Mário Nese negou. Silveira insistiu, insistiu até que Mário sucumbiu. "Pode trazer a maionese artificial". Na primeira mordida, Mário estranhou o gosto. E logo começou a passar mal. Seus lábios secaram, de sua face surgiram escamas, seu corpo produzia enxofre gasoso e logo começaram as chamas. Mário se transformava, para desespero coletivo, em Hell Mans, o homem do inferno.

Em poucos segundos descobriu seus poderes e destruiu a lanchonete do Batata com sua gosma maionésica temperada com alho. A população evacuava a cidade temendo o pior. Hell Mans disparava gás de salmonella dizimando os humanos. Policiais tentavam detê-lo jogando pimenta, mas Hell Mans arrancava o pi e retribuía com menta. Nada parecia controlar a fúria de Mário Nese, agora como a besta-mór do apocalipse.

Quem conseguia escapar de sua gosma maionésica ou do gás letal de salmonella dificilmente sobreviveria, afinal ele espalhava o colesterol para quem se aproximasse em um raio de 288 km. Parecia que o fim da humanidade estava próximo. Mas, não. Eis que surge Seu Batata, que saiu dos escombros de sua lanchonete e vai buscar ajuda com a única pessoa que pode saber o ponto fraco de Hell Mans: sua esposa. E não deu outra: ela aconselha que Batata jogue em balde de Ketchup em Mário Nese.

Sem entender nada, Batata encheu um balde com o mais picante dos Ketchups e foi atrás de Hell Mans. Localizado, Batata chama sua atenção. Hell Mans vem enfurecido em sua direção e....splash!!! Um banho de ketchup. Mário estrebucha no chão e a fusão dele com o ketchup o transforma em Rosé, a louca apimentada, uma drag-queen desvairada e talentosa. Vendo que aquela cidade não tinha o seu perfil, Rosé fugiu para os EUA e em pouco tempo conseguiu ser campeã de bilheteria em seu musical na Broadway. E a paz voltou a reinar...sem Mário Nese.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Sábio guru

Pombinha Manca