Desabafo fitness


Hoje completo 2 anos e 5 meses ininterruptos de academia. Vou pelo menos 3 vezes por semana e raramente falho nessa regra. A diferença eu sinto tanto no aspecto físico como no mental. Mas ultimamente alguns aftos me desencorajaram na constante e árdua busca pela saúde física e na luta contra o sedentarismo. O maior problema é que ainda continuo pecando na alimentação e a famosa barriga acaba sendo uma referência visual em mim. E assim, mesmo com mais de 380 dias de exercícios, convivo com comentários desestimulantes. E reuni os principais nos 10 sintomas de que a academia já não faz assim tanta diferença.

1 - Pergunta inocente - Essa aconteceu várias vezes. Encontro um amigo depois de alguns dias ou meses e ele me pergunta: "E aí, tá fazendo academia ainda?". Como assim? São 382 dias de exercícios, treinos diferenciados, suor, lágrimas. Ele deveria me olhar e dizer: pelo que estou vendo, você continua fazendo academia, hein?

2 - Comentário nada inocente - Uma variante do item anterior com uma pitada sarcástica. Acontece a mesma pergunta e quando afirmo que continuo no mundo fitness, ele me bombardeia com: "Ah, você acha que vou acreditar? Que academia o que? Com essa barriga e bebendo como um porco? Só se for levantamento de copo."

3 - Conselho - Fim de semana passada comentei que andava sentindo leves dores no joelho e a pessoa foi categórica: Também, com esse peso todo e sedentarismo. Precisa fazer exercícios. Como assim, rapá? São 9168 horas de move your body, mothafucka. Sinta meu bíceps, se liga na fúria do tríceps, e esse peitoral irado, as costas monstras, poxa, que coxa.

4 - Encontro - Definitivamente quem olha para mim não associa à academia ou esporte. E para piorar, a academia onde pratico exercícios fica em frente a uma lanchonete. Certa vez estava saindo da academia e um carro passou e buzinou para mim. Não identifiquei quem era, mas no fim de semana seguinte encontrei a pessoa que disse a todos na mesa: Encontrei o Mauro essa semana, na frente do Lanchão. Como assim, féla? Eu estava na porta da academia. A lanchonete fica do outro lado da rua.

5 - Tribos - Um dos sintomas típicos é ser rotulado. Por exemplo, quando estou em um churrasco, conversando com os amigos, bebendo uma ao lado da churrasqueira e alguém diz: Alá os gordinhos, adoram ficar do lado da comida.

6 - Encontros - O encontro com pessoas que você não vê há muito tempo é uma incógnita. Você nunca vai saber como ela vai reagir ao te ver. Mas comigo é quase unânime: "Aê, Maurão, quanto tempo. E essa barriga? Pra quando é o bebê?"

7 - Gestação - Ainda sobre gravidez, minha esposa está esperando uma linda princesa e é inevitável que comparem a barriga dela com a minha. Comentários como: "Qual bebê vem primeiro?", "Resolveram engravidar juntos?" e "Nossa, Mauro, corre pra maternidade que o seu vai nascer" são muito comuns.

8 - Roupas - Problema sério. Por ser alto, só as roupas GG me servem. Algumas G até caem bem, mas só até a barriga, pois não conseguem disfarçar o imenso calo adiposo abdominal. Dependendo do modelo, nem o GG salva. Mas as GG que uso são tão grandes e largas que me dão um aspecto de mamífero florestal ou marinho de grande porte.

9 - Trairagem - Mas não é só lá fora que acontece a trairagem. Após meses repetindo o mesmo treino, um dos professores chegou para mim e disse: Na real, hora de trocar o treino, não acha? Vamos dar mais movimento nisso? Mais desafios?

10 - Suor - Acho que foi o maior sintoma e que me fez mudar recentemente a intensidade dos exercícios. Ano passado eu fazia o treino antes do almoço. Depois de 1 hora eu simplesmente não precisava tomar banho pois não havia uma gota de suor escorrendo em meu corpo. Creio que estava pegando leve demais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Sábio guru

Vaguinha difícil