Lamentos de uma batata (crônica retrô)


Ontem, na hora do almoço, algo inusitado aconteceu. Fui a um restaurante self-service e fiz calmamente meu prato. Pesei, procurei uma mesa vaga e sentei-me para degustar os 547,6 g de puro prazer alimentício. Só que, acidentalmente, derrubei uma das batatas fritas no chão. Ignorei o fato e comecei a refeição. Nisso ouço um ruído estranho. Parecia o de alguém resmungando. Olhei para os lados e não consegui identificar de onde vinha aquele som pitoresco. Decidi voltar ao almoço antes que ele esfriasse. Mas o ruído continuava cada vez mais forte, até que sinto uma pontada o sapato. Era a batata quem resmungava. Recolhi ela, coloquei-a na mesa e questionei o porque de tanta indignação:

  • E aí, batata? O que está pegando?
  • Poxa, vocês humanos não têm coração mesmo!!
  • Por que está falando isso?
  • Por algum acaso você sabe o que passei para chegar até aqui?
  • Não, conta aí, batatinha!
  • Não me chame de batatinha. Eu fiquei vários meses debaixo da terra, sob chuvas, secas, agrotóxicos, pragas querendo me devorar, agricultores me ensacando e me jogando de qualquer jeito no caminhão, sendo cortado por facas enferrujadas nas mãos de homens rudes, jogado no óleo quente e ainda tomando um banho de sal pra que? Pra você me jogar no chão, seu verme narigudo!
  • Epa, epa, epa. Narigudo não. Olha que te jogo no chão, piso e te transformo em um purê.
  • Pode jogar, minha vida não faz mais sentido agora. Estou frita, vou parar no lixo
  • É...realmente sua batata assou agora
  • O pior é acontecer isso em um restaurante fuleiro como esse. Poderia ser uma batata souté em um restaurante francês...
  • Ou ser um líder religioso nos países de língua espanhola
  • Como assim?
  • Nestes países, batatas são papas (batata em espanhol é papa)
  • Mas o fato é que minha história de amargura terminou de forma patética
  • Por que você não fala com seu primo surfista pra ele te ajudar?
  • Que primo surfista?
  • O Ruffles, a batata da onda
  • Ah, não, ele mora em uma casa de batata-palha
  • Mas não fica triste, bota uma batata sorriso nesse rosto
  • Que jeito, não tenho forças para batatalhar por meus sonhos
  • Vai atrás, põe a cara pra batater.
  • Obrigado, você é um batata-doce de pessoa
  • Que é isso, você que está recheada de qualidades
  • Não, me sinto fraco e impotato
  • Lembre-se: Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão, é nóis nas fritas, os mano pá, as mina pôu
  • Nossa, que lindas palavras. Vou à luta
  • O que vai fazer?
  • Montar uma banda e tocar batateria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O negão da piroca

Sábio guru

Vaguinha difícil