Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2015

Escravos de Jó

Imagem
Hoje estou aqui para comentar uma música que, na minha opinião, faz apologia aos maiores vícios da humanidade, caracterizando-se como uma verdadeira ode à desvirtude. E eu, correto como um frade virgem da Mesopotâmia, me sinto na obrigação de denunciar este disparate histórico que se arrastou durante os séculos. Antes de avançar neste dossiê, vou revelar a cancioneta em questão. Estão preparados? Pasmém, gente, a música a qual me refiro é uma das mais cantadas nos bares brasileiros, um grande hino da alegria botequeira universal, a inigualável "Escravos de Jó". Eu sei que devem estar pensando: "Ah, esse cara tá viajando, tomou jurubeba com chá de lírio", mas vou provar por A + B que tudo não é fruto de uma imaginação deturpada da realidade.
Bom, todos sabem de cor e salteado a letra desta canção. Mas, para quem ainda está em dúvida, vamos lá: Escravos de Jó, jogavam cachangá. Tira, põ-õe, deixa ficar. Guerreiros com guerreiros fazem zig zig zá. Guerreiros com guerre…

Zzzzzzz

Imagem
Essa aconteceu quando tive que escolher a cama para minha nova casa. Descobri uma avenida, aqui em Campinas, que tem uma grande variedade de loja de colchões. Em princípio, a busca pelo ninho de amor de um casal deveria ser corriqueira em sem percalços. Mas havia um agravante. Estava há alguns dias de contrair matrimônio e entregar o projeto final de minha pós-graduação. Resumindo: noites mal dormidas, sono atrasado e cansaço físico-emocional, enfim, estava como Cristo na cruz, pregado.
Parei meu carro na "avenida dos sonhos" e comecei a perambular pelas lojas atrás da cama ideal com um preço que não fosse um pesadelo. Entrei, então, na primeira loja, descrevi a que eu queria e ele começou a mostrar os modelos. Como todos sabem, para ter certeza da qualidade é preciso fazer o sleep-drive, ou seja, deitar-se para conferir características como conforto, resistência e durmabilidade. E isso para quem está com o sono em deficit é pior que tortura chinesa. O vendedor convidou-me a …